Juntos contra a exploração sexual infantil!

29/maio/2014, 12h49

Diante de tantas situações vivenciadas pela população no período de preparação para a Copa do Mundo, percebe-se que apenas as cidades que sediarão os jogos serão beneficiadas no que se refere a investimentos em infra-estrutura, “segurança”, e geração de empregos. Porém, esquecemos que a copa afeta todas as cidades do país, de forma direta ou indireta.

Muitas cidades do interior do Brasil irão passar por um grave problema social, que já está presente no nosso cotidiano, mas que vai se acentuar no período da Copa do Mundo, a Exploração Sexual. Essas cidades ficarão desprotegidas pelo Estado, no Ceará, por exemplo, agentes de segurança que atuam no interior serão designados para a capital no período dos jogos. Estrangeiros e brasileiros irão fazer proveito dessa situação para praticar não apenas a exploração sexual, mas também o trafico de órgãos, trafico de pessoas, trafico de drogas envolvendo crianças e adolescentes. Essas situações, apesar de não estarem sendo divulgadas na mídia como os protestos por moradia, contra os gastos exorbitantes na construção dos estádios, são uma realidade. Cito todas essas situações com base na minha experiência de trabalho como Conselheira Tutelar de uma cidade de aproximadamente 15 mil habitantes no estado do Ceará, que as vésperas do inicio da copa, não recebeu nenhuma atenção especial por parte do Governo Federal, estadual ou municipal para o período desse evento.

Diante de tanto patriotismo, o nosso país está preparado para este evento? A sociedade está preparada para enfrentar os impactos? E depois como será resolvido à sujeira que fora jogada para debaixo do tapete antes e durante a copa? Certamente está claro que não estamos e nem iremos saber lhe dar com tal sujeira.

Diante as circunstâncias da exploração sexual até o nome de exploração já foi abolido pelas pessoas nesse período de copa, tanto faz ser criança ou adulto, a nomenclatura virou uma só, o turismo sexual, tudo em prol da lucratividade, lamentável. Somos os frutos da nação apaixonados pelo nosso país e estamos fechando os olhos para os mínimos detalhes diante tão grandiosa revolução sem percebermos que os problemas estão mais próximos do que imaginamos.

 

*Camila Delfino é Conselheira Tutelar, estudante de Ciencias Sociais na UVA e militante do Juntos!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017