A enorme vitória do MTST

13/jun/2014, 16h07

20 mil trabalhadores sem-teto tomam a Ponte Estaiada de SP na "Quinta Vermelha"

20 mil trabalhadores sem-teto tomam a Ponte Estaiada de SP na “Quinta Vermelha”

     Recentemente, o MTST obteve uma grande conquista que é preciso ser encarada como vitória  não só para este movimento, mas para toda luta social que vem acontecendo no país. Devido às  grandes manifestações que este movimento vem fazendo, o governo foi obrigado a se  compromissar com 3 coisas. Primeiro, a construção de casa na ocupação Copa do povo,  localizada próxima ao Itaquerão. Segundo, a criação de uma comissão de despejos para acabar  com as recorrentes cenas de violência que se veem contra os trabalhadores. E terceiro,  modificações do Minha Casa Minha Vida na parcela desse programa que  possibilita a gestão direta dos recursos por movimentos sociais[1]. Essas conquistas mudarão a  vida de milhares de trabalhadores e trabalhadoras que hoje vivem em condições muito  precárias, e só foram conquistadas através de uma grande mobilização feita pelo MTST pautando  a questão da Copa, e inserida num contexto muito específico do país.

  Contexto esse, influenciado por junho do ano passado, mês em que a juventude demonstrou que  indo às ruas é possível se arrancar vitórias. De lá pra cá, o número e a intensidade das mobilizações das categorias e movimentos sociais cresceram de forma gigantesca, tendo como exemplo os garis do Rio de Janeiro e do ABC. Aproximando-se da Copa – devido às injustiças que este evento trouxe, somado a uma atenção e tensão mundial com relação a como seria uma Copa do mundo no “país do futebol”, num momento onde metade da população, segundo o DataFolha, se posiciona contra ela – a luta social se acirrou ainda mais.

            Dessa forma, nesse contexto de acirramento das lutas populares, o MTST, que sempre esteve e estará nas ruas, entra na luta de questionamento ao megaevento a partir do dia 3 de maio, com a ocupação de um terreno a poucos quilômetros do Itaquerão, fortalecendo-se no dia 8 de maio, no qual conjuntamente com o MST e o JUNTOS, realizam-se ações de ocupação temporária das sedes das três empreiteiras que mais lucraram com a Copa. A partir de então, deu-se inicio a uma jornada de lutas desse movimento que passou pelo 15M, dia de unidade de todos os movimentos na luta contra a Copa, mas no qual o MTST foi protagonista parando diversos pontos do país e de São Paulo pela manhã incluindo a Radial Leste na altura do Itaquerão; pela quinta vermelha do dia 22 de maio, na qual 20mil trabalhadores tomaram a ponte estaiada, relembrando as cenas de junho; e fechando na quarta vermelha do dia 4 de junho, que 30mil pessoas marcharam do metrô Vila Matilde até, novamente, o estádio de abertura da Copa.

Thiago Aguiar discursa durante ato do MTST

Thiago Aguiar discursa durante ato do MTST

Essas lutas que atravessaram maio e chegaram a junho tiveram o mérito de questionar a Copa naquilo que mais atingia a população, a retirada de direitos. O MTST teve o mérito de colocar essa questão, exigindo que o governo avançasse, e se utilizando do melhor método para ter conquistas: a mobilização, a ação direta, as ruas. Devido a esta luta muito intensa, se obtiveram conquistas que vão mudar concretamente a vida de muita gente. O JUNTOS teve uma grande e importante experiência durante essas lutas de estar lado a lado com o MTST nas ruas. O movimento de juventude que queremos construir é aquele que está aliado à luta dos movimentos sociais e dos trabalhadores.

Nesse momento com a Copa começando, a luta – embalada com as conquistas do MTST, ao mesmo tempo em que atenta à contra-ofensiva midiática e repressora que se expressa nas demissões dos metroviários de SP – está em outro patamar . Nós do JUNTOS seguiremos nas ruas com o nosso questionamento às injustiças da Copa, em unidade com todos os movimentos sociais, sindicatos e outros setores, buscando trazer o exemplo e o espírito dessa grande mobilização que resultou numa vitória para esta e todas as mobilizações futuras.

Guilherme Boulos, liderança do MTST, participa de debate com o Juntos na USP, com mais de 100 estudantes.

Guilherme Boulos, liderança do MTST, participa de debate com o Juntos na USP, com mais de 100 estudantes.

[1] http://www.secretariageral.gov.br/noticias/ultimas_noticias/2014/06/09-06-2014-nota-a-imprensa-sobre-as-negociacoes-com-o-movimento-de-moradia-de-sao-paulo