Em São Carlos o dia 26 será dia 25. Estamos todos juntos pela educação!

23/mar/2015, 15h29

*por Rafael Ferrer “Arroz”

O Juntos é um coletivo nacional de juventude que tem se organizado para lutar por um outro futuro. Juntos! é a juventude em movimento pela educação de qualidade, em defesa do meio ambiente, contra o preconceito e por uma sociedade com igualdade e liberdade para todos. Estamos construindo o dia 26/03, resgatando a memória do secundarista Edson Luis, mártir do movimento estudantil brasileiro na luta contra a ditadura, como o dia nacional de luta pela educação junto com diversos coletivos e movimentos.

A realidade é a mesma de norte a sul do país, diante da crise que vivemos, os governos federal e estaduais querem que os trabalhadores e a juventude paguem a conta, com demissões, cortes de direitos, aumentos de impostos e tarifas públicas, como a gasolina, a energia e a tarifa do transporte público. Enquanto isso, o governo Dilma continua destinando quase metade do orçamento para os banqueiros através do pagamento das dívidas interna e externa; parlamentares aumentam seus próprios salários; e a Petrobrás segue sendo privatizada e desfavorecida em leilões que entregam nosso petróleo e gás para empresas estrangeiras e agora com, saqueada por partidos e políticos do PT ao PSDB e sofrendo pela recém anunciada política de desinvestimento. Por isso, a verdadeira alternativa já tem sido construída nas ruas, greves e ocupações dos trabalhadores.

O ano de 2015 começou com um corte nas áreas sociais, a mais atingida foi a Educação, foram mais de 7 bilhões de reais. O impacto disso na realidade de cada universidade, seja privada ou pública, já é sentido pelos estudantes, professores, técnico-administrativos e terceirizados, inclusive várias universidades do país estão com atrasos no pagamento dos salários dos funcionários terceirizados, impedindo o inicio das aulas, como na UFRJ e UERJ. Bolsas de pesquisa e assistência estudantil também sofreram corte e/ou estão atrasadas. Na UnB, por exemplo, dos 11 milhões que deveria receber esse ano, foram transferidos cerca de 30% a menos. Os jornais anunciam que a UFMG está há 3 meses sem pagar a conta de água e energia. Na UFRGS as aulas começaram com os Restaurantes Universitários fechados.

Em São Carlos a situação não é diferente

A mesma realidade de norte a sul do país, e em São Carlos não é diferente. Os direitos estutantis estão em xeque e os estudantes da UFscar já começam a sofrer com ameaças de corte na moradia, estudantes sem bolsa, falta de verba para o RU dentre outros.
Em âmbito estadual já no ano passado vimos uma crise orçamentária atingir a USP. Diversos direitos estutantis, como permanência estudantil tem sido retirados e as condições de ensino precarizados. Isso se dá devido a uma política da reitoria de inverter prioridades e precarizar a universidade com planos de demissões voluntárias e uma tentativa de privatizar a universidade, ao mesmo tempo o governo estadual não aumenta o repasse de verbas na educação que não ocorre há anos. Ao mesmo tempo vemos o governo Alckmin desmantelar a educação pública nas escolas com salas superlotadas, professores desvalorizados, infraesrutura precária num modelo neoliberal de ensino. Não a toa os professores da rede estadual estão em greve na luta por mais direitos e uma transformação da educação no estado. No dia 25/03 os professores e estudantes de São Carlos farão uma passeata em prol da educação. No intuito de somar e fortalecer a luta que na verdade é a mesma, nós do Juntos em São Carlos anteciparemos o dia 26/03, dia nacional de luta pela educação para o dia 25/03.

Estamos juntos nessa, professores.
O professor é meu amigo, mexeu com ele mexeu comigo!

1 – Revogação imediata dos cortes destinados à educação feitos pelo governo federal (do PT) e estadual (do PSDB);

2 – Contra os cortes do PROUNI, do FIES e do PROGRAMA DE BOLSAS ESCOLA DA FAMÍLIA;

3 – Contra as novas regras do FIES;

4 – Em defesa da USP e das universidades federais! Por democracia e transparência na gestão das universidades públicas;

5 – Pela ampliação das políticas de permanência nas universidades federais e estaduais!;

6 – Contra o corte de bolsas no ensino técnico pelo governo do estado de São Paulo;

7 – Contra o fechamento de salas na educação básica do estado de São Paulo! Abaixo a super lotação;

8 – Apoio à greve das professoras e professores do estado de São Paulo!

9 – Pela ampliação e destinação de verbas para materiais básicos na escola pública do estado de São Paulo.

*Rafael é militante do Juntos! São Carlos e compõe o Grupo de Trabalho Nacional do Juntos!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017