LGBT não é bagunça!

16/mar/2015, 16h51

JUNTOS LGBT

Levy Fidelix foi condenado pela justiça a pagar uma indenização de R$ 1 milhão por danos morais às LGBT, por suas declarações durante os debates presidenciais de 2014. Essa vitória só foi possível por causa da nossa mobilização, que o colocou contra a parede e fez com que não só a opinião pública, como até mesmo a justiça tivesse que agir em relação a este caso de homofobia, geralmente tratados como problemas menores ou até aceitáveis.

Respondendo à pergunta de Luciana Genro, que questionou porque os “defensores da família” não aceitavam famílias de pessoas do mesmo sexo, as declarações de Levy ultrapassaram todos os níveis do aceitável, afirmando que LGBTs precisam de ajuda psicológica e chamando a maioria a esmagar a minoria. A resposta que o movimento deu foi imediata: fizemos atos na Av. Paulista e na frente de seu prédio, denunciando o absurdo das declarações e exigindo que se tomasse medidas para mostrar que ele não tem o direito de dar esse tipo de declaração.

Agora, quase 6 meses depois, estamos colhendo os frutos da nossa luta. Conseguimos com que esse tipo de coisa não seja tratada como normal, ou como parte da liberdade de expressão, pois não existe nenhuma liberdade em violentar e humilhar grupos historicamente marginalizados, como as LGBT, como está bem colocado na decisão da justiça:

Ao afirmar que “dois iguais não fazem filho” e que “aparelho excretor não reproduz”, comparando a homossexualidade à pedofilia, e que o mais importante é que a população LGBT seja atendida no plano psicológico e afetivo, mas “bem longe da gente”, respeitado entendimento diverso, o candidato ultrapassou os limites da liberdade de expressão, incidindo sim em discurso de ódio, pregando a segregação do grupo LGBT.”

Que essa decisão da justiça sirva de exemplo para todos os LGBTfóbicos, de que esse tipo de discurso não é aceitável. Em tempos de Eduardo Cunha e Gladiadores do Altar, esse tipo de demonstração é essencial e nos mostra que por mais que os fundamentalistas busquem a todo custo retirar as conquistas que tivemos com muita luta, também temos muita força e conseguimos disputar a consciência de uma parcela significativa da sociedade, contra o preconceito e por mais direitos. Nossa luta só se fortalece!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017