Salve a Cyrela

05/mar/2015, 11h49

“Que tempos são esses
Em que Falar de árvores é quase um crime
Pois implica silenciar sobre tantas barbaridades?”

Bertold Brecht, Aos que vão Nascer.

parque augusta

Por Gilberto Cunha, Professor de Geografia da UFSCar

De quem é a cidade? No caso da cidade de São Paulo um de seus sócios majoritários é a Cyrela, a maior empresa do mercado imobiliário no Brasil. Entre imóveis e terrenos ela é proprietária, com a Setim, de uma extensa área arborizada, o Parque Augusta. Ontem, a principal financiadora das campanhas eleitorais no município de São Paulo, do governo e da oposição (exceção do Psol), conseguiu a reintegração de posse do terreno para construir mais um empreendimento imobiliário. Neste espaço a gigante construtora pretende construir 4 torres.

São Paulo tem pouco prédio e cimento (sobretudo no centro). A população da cidade não precisa de áreas verdes e espaços públicos, não é mesmo. São Paulo precisa de mais edifícios. Prédios e apartamentos vazios não bastam para a especulação financeira e imobiliária. Onde os bancos e os ricos, como os donos da Cyrela, vão colocar amanha o dinheiro que eles ganharam hoje?

Mas, e as pessoas, o meio ambiente e a saúde? Dependerá primeiro da saúde da Cyrela e toda podridão que se articula em torno dos promotores imobiliários, os que realmente têm direito à cidade de São Paulo.

Como propõe agora o Prefeito Haddad, teremos que decidir repentinamente entre creche ou parque, é pegar ou largar. Ou seja, nós podemos decidir o que vamos perder, mas a Cyrela não, ela não pode perder nada.

Afinal o que vale é a sagrada propriedade e os lucros da Cyrela. Para isso, a cidade pode seguir perdendo seus espaços públicos, suas áreas verdes. Historicamente, associados ao poder público, a Cyrela e especuladores financeiros expropriaram as pessoas através do crédito, produzem eixos de valorização e removem os pobres para a periferia da cidade; pavimentaram os rios e tornaram a vida difícil na cidade.

O mercado imobiliário tem a liberdade para manter a propriedade e o lucro, a maioria da população tem a liberdade de escolher o que vai perder.

Salve a Cyrela! Ou vamos para o Parque Augusta retomar a cidade das mãos da Cyrela, e quem sabe construir dentro do Parque uma creche de qualidade, no espaço central da cidade.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017