Vitória da Oposição de Esquerda na UNICAMP!

Juntos 01/maio/2015, 16h23

Tivemos, nessa última semana, um acontecimento revigorante para o movimento estudantil da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP): a vitória da chapa da Oposição de Esquerda (composta pelo Juntos! e coletivo Domínio Público) nas eleições para tiragem de delegados para o 54º Congresso da União Nacional dos Estudantes.

Com 73% dos votos, demos um claro recado à chapa opositora “Abre Alas”, composta pela UJS, setores do PT, e atual gestão do DCE: o descrédito e rechaço dos estudantes às atuais políticas do governo para a educação, bem como a vontade de retomar a UNE para que ela volte a ser uma entidade combativa e perigosa para os poderosos.

Essas eleições representam uma vitória ainda maior para a Oposição de Esquerda na UNICAMP, pois além de demonstrarem o rechaço dos estudantes à direção majoritária da UNE, reafirmam a mesma insatisfação com a atual gestão do DCE. Esse grupo, que ganhou as eleições da entidade no final do ano passado com o objetivo de minar a tradição de luta do movimento estudantil da UNICAMP, tendo a ousadia de rifar o DCE com uma chapa de “acordão” entre a juventude do PC do B e PSDB, hoje está levando uma lição, sendo rechaçado justamente por ser, na contramão das reais reivindicações da juventude e das ruas, a representação estudantil dos governos federal, estadual e municipal e, portanto, por expressar as velhas práticas e políticas dos partidos da ordem.

Assim, o resultado das eleições pro CONUNE é uma forte comprovação para esse grupo que o que vale é a construção da discussão política diária com os estudantes de forma independente, como a Oposição de Esquerda têm feito na UNICAMP nos últimos anos, e não o apelo à mobilização de aparelhos e métodos burocratizados na construção do movimento estudantil, evidenciados pela enorme quantidade de recursos e pessoas que foram girados de forma desproporcional por esse grupo no ano passado para garantir a vitória nas eleições para o DCE. Além disso, nossa disposição é, assim como na USP, em que o movimento estudantil deu uma lição ao grupo de direita que se reunia nos gabinetes da reitoria para reuniões com o reitor Rodas e Zago, também na UNICAMP não aceitar mais que o DCE continue com as mesmas práticas, como já vem fazendo desde o começo da gestão, à revelia dos estudantes.

Acreditamos, assim, que saímos dessa eleição mais fortalecidos, com toda disposição para organizar a oposição de esquerda e seguir ocupando os espaços da universidade e das ruas, para enfrentar os ajustes do governo e a retirada de direitos. A maré que viramos na UNICAMP foi apenas uma das primeiras de todo um mês de eleições para o CONUNE que está por acontecer em todo o país. Seguimos, para que a UNE volte a ser perigosa!