Fábrica Ocupada Flaskô: 12 anos na luta por outro futuro

Juntos 16/jun/2015, 22h01

Em 12 de junho de 2003 os trabalhadores da Flaskô, uma fábrica de bombonas plásticas localizada na cidade de Sumaré-SP, tomaram uma importante decisão: com meses de salários atrasados e com a perpectiva do desemprego a vista, decidiram em assembleia ocupar a fábrica e retomar a produção sob controle operário. Outras fábricas passavam por processos semelhantes, como foi o caso da Cipla e da Interfibra em Joinville-SC, que junto à Flaskô e uma série de outras conformaram o Movimento de Fábricas Ocupadas. De lá para cá já se passaram 12 anos e a Flaskô é a única que permanece sob controle dos trabalhadores, sendo um símbolo e uma importante referência a todos os lutadores do Brasil

Ao longo desse tempo a luta da Fábrica Ocupada Flaskô conquistou diversas vitórias e vem garantindo o acesso a direitos constitucionais a uma ampla parcela da população local. A gestão operária, além de preservar o parque fabril e os empregos, pode diminuir a jornada de trabalho para 30 horas semanais com aumento de produtividade e de salários. Além disso, garantiu o acesso à moradia a mais de 500 famílias no terreno contíguo à fábrica, que originou a Vila Operária e Popular. Também vem possibilitando o acesso ao esporte e à cultura a milhares de crianças e jovens através dos projetos da Fábrica de Esporte e Cultura, trazendo arte, educação, esporte e saúde à toda uma região carente de equipamentos públicos.

Essa experiência operária, construída democraticamente, como se viu, extrapolou as demandas mais concretas dos trabalhadores por emprego e direitos e envolveu toda a comunidade, apontando para uma perspectiva de futuro radicalmente diferente. Dando um novo salto nesta direção, desde o último ano a Flaskô impulsiona um projeto de reciclagem em parceria com o Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), garantindo renda a dezenas de catadores da região e expandindo, ao mesmo tempo, sua produção com base em matéria prima reciclada.

Porém, não foi um caminho fácil. Junto a estes imensos avanços, diversos foram os desafios enfrentados ao longo dos anos. Diante das dívidas milionárias dos patrões, os trabalhadores enfrentaram processos judiciais, leilões de máquinas, penhoras de faturamento e cortes de energia, que prejudicaram o pleno desenvolvimento produtivo da fábrica e continuam ameaçando a sua existência. Ao mesmo tempo, a sua fragilidade econômica a faz refém dos mercados e dos fornecedores, sendo uma luta diária a manutenção de suas máquinas produzindo para pagamento dos salários.

Desde o início os trabalhadores reivindicam a estatização da fábrica sob controle operário, única forma viável de garantir os empregos e as conquistas. Essa luta se expressa hoje na campanha pela adjudicação da fábrica, que trata da transferência do patrimônio fabril ao Estado como forma de compensação das dívidas patronais. Para isso foi criado um Grupo de Trabalho Interministerial no âmbito da Secretaria Geral da Presidência da República, cujo trabalho aponta também para a perspectiva de criação de um complexo autogestionário no terreno da fábrica.

O Juntos defende e reivindica a luta dos trabalhadores da Fábrica Ocupada Flaskô. Esteve presente na delegação que acompanhou a última reunião do grupo de trabalho interministerial em Brasília, e permanece de prontidão para se somar aos próximos embates que virão. A Flaskô é um exemplo de como a organização dos trabalhadores pode transformar a realidade e do quanto a unidade entre as organizações políticas, movimentos e lutadores sociais é essencial para arrancar as vitórias necessárias. Neste momento de reorganização das lutas populares no país, em que a juventude e os trabalhadores se colocam em movimento, temos a tarefa histórica de construir e fortalecer nossos instrumentos de luta, respondendo aos ataques ao mesmo tempo em que construímos mais e mais Flaskôs pelo Brasil.

Parabéns aos 12 anos da luta dos trabalhadores da Flaskô!

Pela adjudicação da fábrica, por interesse social já!

Grupo de Trabalho Nacional do Juntos