#NãoFecheMinhaEscola – Os estudantes de São Paulo vão barrar a Reorganização

Sophia Tagliaferri de CastroIcaro Bendas 10/out/2015, 11h36

Não é novidade que o governo de São Paulo sucateia o ensino público. Professores com salários baixíssimos, salas abarrotadas, falta de água, papel higiênico e material, sem falar nos cortes do começo do ano de 5% no Orçamento do Estado. Há uma necessidade do governo em piorar a educação para gastar cada vez menos com nós, estudantes de escolas públicas, e mais com os poderosos e ricos do nosso país. Enquanto os professores fazem greve por condições mínimas de trabalho, Geraldo Alckmin aumentou seu próprio salário.

Agora, o governador afirma que “reorganizar” as escolas por ciclos é a solução para todos os males que a administração tucana nos últimos 20 anos causou. Mas na verdade, essa medida só piorara a educação, fechando centenas de escolas públicas, superlotando cada vez mais as salas e, consequentemente, mudando cerca de 1 milhão de alunos de suas próprias escolas, além de milhares de professores e funcionários que serão demitidos. A reorganização é, na realidade, uma total DESORGANIZAÇÃO do ensino público paulista.

Diferente do que ele esperava, os estudantes de diversas escolas do estado estão se mobilizando contra a medida, essa atitude não pode passar em branco. Na semana que passou explodiram manifestações em todo o estado. Em Guarulhos, Sorocaba, Osasco, Mogi das Cruzes, Ribeirão Preto, Mauá, além de dezenas de manifestações em todas as Zonas da capital, os estudantes estão organizando sua indignação contra o autoritarismo e a precarização. Na Zona Sul, os estudantes do Calhim mobilizaram desde as crianças de 6 anos, até os mais velhos do ensino médio. Em Osasco, na escola estadual Irmã Gabriela uma manifestação reuniu dezenas de alunos. Sem falar nas mobiliações que foram chamadas para várias escolas participarem, como a de terça-feira (6/10) e a de hoje (9/10).

A manifestação de terça-feira reuniu mais de 1000 estudantes no Vão do Museu de Arte de São Paulo (MASP), partiu para a diretoria de ensino e seguiu completamente tranquilo, conseguimos depois de muita pressão uma conversa com o secretário de educação, que tentou desarticular os estudantes e se abster. Os estudantes bradavam contra as injustiças do governador tucano, estavam indignados e haviam organizado verdadeiras caravanas de diversas escolas, como do colégio Fernão Dias Paes, que fica a zona oeste. Hoje, a manifestação dobrou de tamanho e partiu também do MASP. Porém, a polícia militar reprimiu fortemente os manifestantes e deteve 3 secundaristas e 1 jornalista, Caio Castor. Isso mostra a intransigência da administração em dialogar com os estudantes que agiam pacificamente, ao invés disso, spray de pimenta e cassetetes foram a maneira com que eles responderam ao ato, mesmo assim o ato chegou até a E.E. Caetano de Campos, comprovando que nenhuma repressão calará a nossa voz.

Nós do Juntos nas Escolas, apoiamos e participamos das manifestações. Convocamos, junto a todos que fizeram a assembleia ao final do ato, para a manifestação do dia 15 de Outubro, dia dos professores, no Palácio dos Bandeirantes, às 10h. Precisamos unificar nossa luta com os professores e funcionários que também sofrem as consequências da desorganização do ensino.

Além disso, estendemos o convite para todas e todos aqueles que estão indignados com os ataques dos poderosos para participarem do Encontro Estadual do Juntos nas Escolas, que ocorrerá no sábado dia 17 de Outubro, às 10h na Escola Municipal Derville Alegretti, metrô Portuguesa-Tietê.

Juntos somos mais fortes contra a desorganização da educação!

Traga sua indignação para o encontro do Juntos nas Escolas!

No dia 17 de Outubro, convidamos todos os estudantes de São Paulo para discutir os ataques contra a juventude e a desorganização da educação promovida pelo governo

Vamos organizar nossa luta contra a redução da maioridade penal, os cortes na educação e os ataques aos nossos direitos. É hora de ocupar as escolas e as ruas!

Contato (Claro/Whatsapp): 11 99503 1112

Confirme presença no evento: https://www.facebook.com/events

/778391135599593/

Assinam:

Ícaro Bendas – estudante da ETEC Guaracy Silveira

Guilherme Cortez – estudante da ETESP

Sophia Tagliaferri de Castro – estudante da ETESP

 

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017