Ato de 1 ano da chacina de Belém, a juventude diz: chega de extermínio na periferia!

Ingrid LouzeiroAdriano Mendes 04/nov/2015, 08h59

No dia 4 de novembro do ano passado a chacina nas periferias de Belém vitimou 11 jovens. 11 vítimas da exclusão social, da falta de políticas públicas, do ódio pregado por aqueles que todos os dias retiram direitos dos trabalhadores e da população mais pobre desse país. O que Belém viveu naquela noite foi mais uma consequência do nosso sistema de segurança falido que oprime todos os dias a juventude, onde o Pará é o terceiro no ranking dos estados em que se tem mais homicídios no Brasil, e a maioria das vítimas são jovens entre 15 e 29 anos, negros e da periferia.

O juntos tem atuado em frente ampla com vários movimentos sociais e familiares das vítimas para não deixar que essa chacina caia no esquecimento. Foi uma grande vitória a aprovação da CPI dos grupos de extermínio e o início das investigações com acompanhamento constante das famílias e dos movimentos sociais sobre o caso, porém o governo do estado ignorou os resultados e até agora nenhum responsável foi julgado e punido pelas mortes, e infelizmente os grupos de extermínio continuam a ditar as regras de convívio social do estado. PRECISAMOS DAR UM BASTA NISSO!

A violência que assola nossa capital hoje é algo muito sério e complexo que exige de nosso governo respostas para conter a criminalidade que vem crescendo a cada dia. Não podemos cair no discurso daqueles que querem colocar quem atua em defesa dos direitos humanos como inimigos da população. Se utilizam desses discursos para legitimar que assassinatos de jovens da periferia continue acontecendo, onde os meios de comunicação pregam todos os dias que “bandido bom é bandido morto” criminalizando nossa juventude, sendo que a crescente violência em nosso estado, que tem vitimado a juventude pobre e trabalhadores da segurança pública, é de responsabilidade do governo Jatene (PSDB) que tem se omitido em tomar as providências necessárias.

É tarefa da juventude tomar as ruas e dizer chega de extermínios de jovens na periferia, precisamos fortalecer a luta por desmilitarização da PM, precisamos mostrar que nossos verdadeiros inimigos são aqueles que retiram direitos do povo e da juventude e se sujam em grandes esquemas de corrupção por utilizarem dinheiro público para beneficiamento próprio, enquanto ao povo só resta a miséria e a falta de investimentos sociais como saúde, educação e saneamento básico e segurança. Por isso reivindicamos mais investimentos em políticas públicas, reivindicamos ter garantido o nosso direito de ir e vir, reivindicamos inclusão social, REIVINDICAMOS VIVER! Chega de criminalização, violência e mortes!

Hoje é dia de tomar as ruas de Belém, relembrar e trazer a memória das vítimas de todas as chacinas que ocorreram em nossa capital e exigir respostas do governo Jatene para que os culpados possam ser julgados e responsabilizados pelas mortes. Chamamos toda a sociedade para se concentrar hoje (04/Nov) as 17h no CAN (Centro Arquitetônico de Nazaré) para o ato em memória das vítimas da chacina de Belém e para dizer que QUEREMOS JUSTIÇA!

Estamos juntos contra o extermínio da juventude da periferia!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017