Dia da Visibilidade Trans: Queremos ser visíveis o ano inteiro

Juntos LGBTCaio Fucidji Ishida 29/jan/2016, 16h37

O Dia da Visibilidade Trans surgiu em 2004, a partir da Campanha Nacional “Travesti e Respeito” e mais tarde passou a contemplar todas as identidades trans, tornando-se simbolo da luta pela garantia de direitos das pessoas transexuais e travestis.

Mas quando falamos em visibilidade, o que queremos?

O Brasil é o país que mais mata pessoas trans e travestis no mundo. Queremos o direito de existir e de ter nossas identidades respeitadas.

Precisamos de acesso digno à saúde e à educação. Nos nossos hospitais, não há nenhum preparo dos profissionais para lidar com pessoas trans. Muitas acabam se hormonizando por conta própria e prejudicando a saúde com medicamentos ilegais. As nossas escolas não respeitam nossos nomes sociais e as universidades não possuem nenhuma politica de permanência para o grupo social brasileiro mais sujeito à evasão escolar, com índices de mais de 70%.

Para realizar uma cirurgia de redesignação genital ou alterar o sexo no registro civil, temos que passar por um processo burocrático e longo. Queremos a despatologização das nossas identidades e a aprovação da lei de identidade de gênero, PL 5002/13 (Lei João W. Nery).

Queremos empregabilidade. 90% das travestis e transexuais brasileiras está se prostituindo. Enquanto isso, mesmo no mercado de trabalho formal, o alto índice de evasão escolar faz com que melhores oportunidades de emprego fiquem fora do alcance de pessoas trans e travestis e os espaços que nos sobram são os trabalhos mais precarizados – como o telemarketing.

Queremos mais representatividade trans na política e na midia e pra isso, também precisamos de espaço real dentro do movimento LGBT e do movimento feminista.

Por fim, queremos que ser visíveis por todos os dias, pois nossa luta segue todo dia.