Todo Camburão tem um pouco de navio negreiro. Todo quartinho de empregada…

Marcela LisboaErick Andrade 12/jan/2016, 15h54

Todo Camburão tem um pouco de navio negreiro. Todo quartinho de empregada tem um pouco de senzala

Texto publicado originalmente na edição de outubro/2015 do Jornal Juntos

As tragédias anunciadas em um Brasil de desigualdades e preconceitos há muito não tinham tanta ênfase. Dos 19 mortos em Osasco e Barueri, em São Paulo, ao fatídico assassinato do menino Christian Andrade em Manguinhos, no Rio de Janeiro, as contradições sociais que vivenciamos não podem mais ser negadas agora. Enquanto o Estado mata, o cinema revela.

O premiado “Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert, trouxe à tona algumas destas contradições da ainda real “Casa Grande e Senzala”. Val (Regina Casé), a empregada doméstica, tem sua humanização seletiva questionada por sua filha Jéssica (Camila Márdila), quando esta chega a São Paulo e descobre que a mãe, distante há mais de dez anos, mora com os patrões.

Se a adolescente, que reflete os sonhos da juventude pobre e periférica na luta por acesso ao ensino superior, chega à Casa Grande, logo recusa o lugar da Senzala. Este espaço, reservado aos “quase iguais”, não lhe pertence. Ela quer a melhor universidade, o melhor sorvete e um descanso na piscina. E isto é tudo o que a classe dominante não quer: ceder espaços de privilégio. Contra isso, usam as armas da invisibilidade e da desumanização. Afinal, onde já se viu a filha da empregada aspirar aos mesmos sonhos do filho do patrão?

Regina Casé interpreta as milhares de mulheres que, para manutenção da família, deixam seus filhos para cuidarem dos filhos de outras. As mães pretas não ficaram no passado. Val, a “quase parente”, nem ao menos tinha acesso a piscina. O que revela também, que, ao pobre, só resta o trabalho, jamais o lazer.

No mesmo Rio de Janeiro em que jovens negros são impedidos de frequentarem as praias das áreas mais nobres, Christian Andrade, de 13 anos, quis inverter esta lógica. Jogava futebol no campo da favela do Manguinhos quando foi duramente alvejado em meio a uma operação realizada pela Coordenadoria de Operações Especiais (Core) da Polícia Civil e pela Divisão de Homicídios, com apoio da UPP do bairro. Jéssica contrariou a regra, o adolescente não teve a mesma chance. Entrou para a estatística.

Mas, assim como Jéssica, a negritude não está parada. Estamos mobilizados para quebrar as regras. Nosso lugar não é nas prisões, nem nos caixões. É nas quadras de futebol, nos shows de música, nos teatros, nas escolas e universidades. É resistindo na luta por mais direitos em cada rua, cada morro e cada favela. A Casa Grande, a senzala e os navios negreiros ainda existem, mas a nossa luta e resistência são muito maiores!

*Erick Andrade é militante do Juntos DF e Marcela Lisboa é militante do Juntos RJ. Ambos são militantes do Juntos Negras e Negros.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017