6 verdades sobre o aumento da passagem em Porto Alegre

Júlio Câmara 21/fev/2016, 13h42

Entra ano e sai ano, pelas capitais do Brasil, os prefeitos e os donos das empresas de ônibus aumentam o preço da passagem. O aumento é sempre acima da inflação e nunca representa melhoria no serviço prestado. A partir de 2013, quando derrubamos o injusto aumento na passagem com mobilização nas ruas de todo o Brasil, avançamos contra a lógica capitalista de obtenção de lucro para poucos empresários em cima de um direito de toda uma cidade.

Com o anúncio de mais um aumento na passagem de ônibus em Porto Alegre de R$3,25 para R$3,75, vemos nas redes e nas conversas muitas dúvidas sobre o novo sistema de transporte e o valor da tarifa. Aqui tentamos ajudar a compreender algumas inquietações e colaborar com o movimento contra o aumento da passagem.

1) Para os trabalhadores, o valor da passagem não faz diferença porque recebem Vale Transporte

Pra começar, muitos trabalhadores estão atuando no mercado informal, ou seja, não estão com a carteira assinada e nem recebem vale transporte. Porto Alegre iniciou o ano com o maior número de desempregados desde 1993. Não foi a toa que no dia D do SINE, formou-se uma fila de 5 mil interessados para 2 mil vagas disponíveis.

Além disso, é claro que os patrões descontam o valor da passagem do que os trabalhadores poderiam ganhar. Pra completar, embora os estudantes tenham direito a meia passagem, sabemos que, em sua maioria, são pagas pelos pais. Ou seja, pesa bastante no orçamento familiar.

2) A nova licitação vai garantir a qualidade do transporte

Em nada isso é verdade. O processo de licitação se deu sem qualquer participação popular e acabou com as mesmas empresas que operavam antes. São os mesmos empresários que exploraram a cidade por mais de 20 anos sem licitação por serem amigos e financiadores dos prefeitos. Agora, o processo fraudulento de licitação está sendo questionado na justiça e pode ser derrubado a qualquer momento. Apesar disso, o prefeito não pensa duas vezes e aumenta o valor da passagem sem apresentar para o povo ou para a imprensa qualquer planilha que justifique o aumento.

3) O novo valor da passagem vem com novos ônibus

Os novos não são nem a metade da frota que atende Porto Alegre. A maioria serão os velhos ônibus pintados ou com novos adesivos. Pagaremos o preço de ônibus novo mas continuaremos a andar nos velhos ônibus.

4) O preço sobe mas vai ter ar-condicionado

Essa é uma verdade parcial que está sendo espalhada como verdade concreta com a ajuda da imprensa tradicional. Com o novo sistema, os empresários só tem a obrigação de colocar ar-condicionado em todos os ônibus dentro de uma década. Por enquanto, no máximo 25 % serão climatizados e, é claro, dedicados aos bairros mais nobres.

5) A passagem aumenta para aumentar o salário dos rodoviários

Aqui está outra mentira. Os cobradores e motoristas receberam apenas o reajuste da inflação. Nada de aumento real no salário.

6) Quem deixa a passagem cara são os estudantes, idosos e outras isenções

É preciso desmascarar a história de que com as isenções os empresários tomam prejuízo.

Para esconder que uma alta margem de lucro está por trás do aumento da tarifa, os empresários insistem em jogar a culpa pra cima dos estudantes, idosos e demais categorias que conquistaram seus direitos com muita luta.

*Júlio Câmara estuda jornalismo, faz parte do DCE da UFRGS e do Juntos!