Uma onda de jovens mulheres está impulsionando a candidatura de Sanders

Juntas 09/fev/2016, 11h26

Esqueça os machistas (Berniebros): Uma onda de jovens mulheres está impulsionando a candidatura de Bernie Sanders*

Sim, há um grande espaço de gênero entre os eleitores de Sanders, mas não é entre os homens.

A mídia no último período tem insistido no “Berniebro”(1), como se fossem os responsáveis do sucesso de Bernie entre os jovens. “Não deixe que ‘jovens do tipo que usam coque na cabeça’ (man-bun) o engane, América: O Berniebro é um mansplainer(2) impenitente que apoia Sanders com uma enorme devoção. “O Berniebro sabe um segredo”, disse ironicamente a revista “The Atlantic”. “A única razão para que você e todos os outros usuários do Facebook não apoiaram Bernie ainda é a sua própria ignorância”. O Berniebro também é um sujeito que tem comportamentos machistas em relação à ex-secretária de Estado Hillary Clinton, algo comum entre alguns homens progressistas. Como Salon argumentou, “Uma parte do apoio a Sanders, com sua base eleitoral jovem e masculina, vem de caras que realmente não se conformam com a ideia de ver mulheres no poder.”

Em função do destaque que se dá a este grupo de homens desagradáveis ​​e mal resolvidos, você pode pensar que eles são o principal perfil de apoio a Sanders entre os jovens. Mas uma nova pesquisa de Rock the Vote está contrariando esse senso comum. Sim, há uma grande diferença de votos entre Bernie e Hillary relativo ao gênero. Mas não é entre os homens. Mulheres com idade para votar com menos de 35 anos preferem Bernie a Hillary com uma diferença de 20 pontos percentuais. Você leu certo: as eleitoras jovens apoiam Bernie Sanders por uma margem ampla.

A pesquisa, publicada na USA Today na última segunda, foi conduzida entre mais de 1.000 jovens pela agência de pesquisas Ipsos. Sanders lidera amplamante entre os millenials(3) Democratas e Independentes com idade para votar: 46 porcento a 35 porcento. Mas a vantagem de Sanders entre os homens é pouca, modestos 4 pontos percentuais, encostado na margem de erro. Longe de ser um empecilho à candidatura de Clinton, essa pesquisa sugere que os homens jovens são o grupo demográfico que a motiva para que siga na caça aos millenials.

Para qualquer um que já tenha acompanhado um comício de Sanders em um campus universitário, estes resultados não são surpreendentes. Em um comício em outubro passado na George Mason University em Fairfax, no estado de Virginia, as mais entusiastas de Sanders que conheci foram, de longe, as mulheres jovens. Uma caloura Afro-Americana de 19 anos chamada Aiyha Abdelbagi – que usava um hijab (lenço na cabeça) azul claro e um bottom cor de rosa de Bernie com o número 16 – deu uma resposta típica quando perguntada por que ela estava apoiando Sanders: “Sua candidatura é para as pessoas, especialmente estudantes universitários e os afro-americanos”, ela me disse. “Sua resposta sobre a questão do The Black lives matter no primeiro debate Democrática confirmou isso para mim.”

Quando eu perguntei a ela sobre por que ela não tinha predileção por Hillary Clinton, me lançou um sorriso. “Só porque eu sou uma mulher?” ela disse. “Só porque ela [Clinton] é uma mulher não significa que eu vou apoiá-la. Não, não. O feminismo não é isso.”

 

(1) http://gawker.com/what-is-a-berniebro-1757092330

(2) o termo comumente usado entre as feministas refere-se aos homens que tentam explicar algo às mulheres como se elas não soubessem, mas que na verdade dominam mais que eles.

(3) geração de pessoas que tiveram ou tem acesso à internet na juventude, muitas vezes traduzido como geração y.

*Tradução de Sâmia Bomfim. Texto originalmente publicado em http://www.rollingstone.com/politics/news/move-over-berniebros-a-wave-of-young-women-is-boosting-bernie-sanders-20160112

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017