A luta dos estudantes secundaristas pode mudar o Brasil!

Juntos nas Escolas 15/mar/2016, 14h39

O povo está decepcionado com os rumos que a política no Brasil vem tomando. De um lado, escândalos de corrupção, de outro, crise econômica. Cada vez mais, os grandes políticos e empresários governam contra a maioria do povo e para a juventude sobra desemprego e a insegurança do futuro.

Entre os vários absurdos, talvez o pior seja a maneira como a educação é tratada. Hoje, em meio à crise, as escolas estão sob ataque. Em 2015, no estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) tentou fechar mais de 90 escolas e transferir milhares de estudantes contra as suas vontades. As justificativas “pedagógicas” do governador foram desmascaradas pelos secundaristas. Em seguida, outro governador tucano, Marconi Perilo, foi além: anunciou a privatização, via OSs, e militarização de escolas em Goiás. Além disso, reprimiu e prendeu manifestantes.Nenhuma novidade quando se trata de PSDB, pois todos se lembram da repressão e da política de Beto Richa no Paraná, ou estão vendo, agora, o roubo de merendas dos estudantes paulistas num mega esquema de corrupção.

Esta dura realidade não se restringe aos governos do PSDB. Hoje mesmo, no RJ, os secundaristas estão em luta ao lado dos professores, em defesa das condições mínimas para o funcionamento das escolas públicas e denunciando Pezão, do PMDB. Muitas mobilizações já aconteceram em outros estados, como no RS, contra José Ivo Sartori que vem sucateando e promete mais precarização para as escolas, ou no DF, contra Rollemberg e por pautas como a isenção do vestibular.

A verdade é que, atacando as escolas, os governantes quererem piorar o que já era ruim. Falta de materiais, péssima infraestrutura, falta de professores devido ao péssimo salário e às péssimas condições de trabalho. Até a merenda dos estudantes desapareceu das escolas. Onde já não tinha democracia, agora tem repressão, seja dos diretores de ensino e das escolas, ou da PM. Até quando estudantes, pais e comunidade sofrerão com o descaso da educação?

 

Querem desafiar? Vão sair perdendo!

 

Os estudantes secundaristas não aceitaram o descaso com a educação. Ocuparam escolas em SP, e derrotaram Geraldo Alckmin. Na defesa de uma educação emancipadora e democrática, que não reproduza as opressões contra mulheres, LGBTs, negras e negros. Mostramos que queremos escolas que nos ensinem a pensar e não a obedecer. Queremos um ensino livre. Queremos mais dinheiro e mais qualidade na educação, e não fechamento de salas e escolas, muito menos privatização ou militarização!

A luta continua! Nós, do Juntos nas Escolas, queremos que 2016 seja um ano de luta dos secundaristas em todo o Brasil! Em cada estado, cidade ou bairro, a juventude vai construir o seu próprio futuro, barrar os planos dos governos e construir a escola que queremos. Que ninguém duvide da nossa força! Algumas das nossas pautas são:

 

1) Nenhuma escola pode ser fechada, privatizada ou militarizada

2) Nenhum centavo pode ser tirado da educação por causa da crise. Não pode faltar infra-estrutura nem merenda

3) Nenhuma sala pode ser superlotada

4) Nenhum professor pode ser demitido ou receber um salário de miséria

5) Nenhum secundarista pode ser reprimido por se organizar e lutar

 

E assim vamos construir a escola que queremos:

 

1) Uma escola que nos ensine a pensar e não a obedecer, com mais cultura e arte

2) Uma escola com democracia e eleições diretas para diretores, dirigentes de ensino e secretariado de educação

3) Uma escola em que os estudantes tenham voz, com livre organização de grêmios

4) Uma escola com permanência estudantil, merenda de qualidade, passe-livre intermodal e inter-municipal ilimitado já!

5) Uma escola com mais debates de sexualidade, raça e gênero. E com mais respeito à diversidade …

 

E muitas outras ideias e pautas que você e suas/seus colegas podem formular dentro de sua escola, com seus grêmios, auto-organizados e independentemente do que a diretoria e o governo mandarem!

 

Organizados somos mais fortes

 

Os secundaristas seguem resistindo! E, assim como em 2015, as mulheres seguem sendo a linha de frente desse processo. Seja nos atos ou nas ocupações, nas escolas ou nas ruas, a força das meninas que derrubaram a reorganização em SP contagia todo o Brasil!

Quanto mais organizados e juntos estivermos, mais força teremos. E nós do Juntos nas Escolas queremos ajudar nesse processo. Em todos os lugares em que existimos, buscamos promover espaços de encontro e organização entre os secundaristas, pra que estejamos fortes. Participamos das lutas. Entre os dias 28/03 e 01/04, queremos construir em todo país uma Semana das Escolas de Luta, relembrando a data do assassinato de Edson Luís pela ditadura (28/03). Toda iniciativa é válida: de rodas de conversa, debates, assembléias democráticas, manifestações, organização de grêmios livres. Apenas com o máximo de democracia e participação teremos força para lutar. E que ninguém duvide: se necessário, ocupamos as escolas inteiro para defender do Brasil a educação.

Se você é secunda, está indignado e a fim de se organizar, nos procure. Podemos fazer muitas coisas juntos em todo canto do Brasil:

SP: Ícaro (11) 96183-4002 ou Bia (11) 98643- 6647

RS: Ana (51) 8287-2200

RJ: Theo (21) 99185-8182 Francielle (21) 97954-2845 Lucas (21) 99650-4000

DF/GO: Natália (19) 99805-8751 e Breno (61) 9983-0976

MG: Yuri (38) 9730-7226

CE: Enzo (88) 99905-2554

PA: Carol (91) 98113-6027 ou Olívia (91) 8984-9329

RN: Camila (84) 98865-9626

BA: Pedro (71) 99309-7031 ou Joab (71) 99108-5966

Demais Estados: Pedro (11) 99967-8467 ou Júlio (51) 8309-1195

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017