#SomosTodasLouise #FoiFeminicídioSim

12/mar/2016, 13h14

Nós, integrantes do coletivo Juntas!, viemos a público prestar nosso pesar pelo feminicídio cometido contra Louise Ribeiro, estudante de Biologia da Universidade de Brasília (UnB).

Primeiramente, gostaríamos de registrar nossos sentimentos aos familiares e amigos da vítima, prestando toda nossa solidariedade.

Em segundo lugar dizer que esse caso não foi o de um crime passional. Isso – como sabemos operar o machismo e o patriarcado – é um mecanismo criado para ocultar a realidade de crimes onde a maioria das vítimas são mulheres, a maioria dos seus assassinos homens, e a maioria dos motivos relacionados ao como ainda, nos dias de hoje, homens não sabem aceitar o como mulheres lidam com suas relações. As finalizando e exercendo seus direitos de se relacionarem – ou não – como e com quem bem quiserem, precisamos entender que não por acaso, mais de 70% das vítimas de crimes passionais são mulheres.

Louise foi drogada, depois morta, por Vinícius Neres. Isso nos mostra, da forma mais sórdida possível, as características típicas de um feminicídio: matar, re-matar, contra-matar. Misoginia pura.

Dizemos, no entanto, que Louise não será esquecida. Ontem (11), a organização da Semana de Mulheres da UnB, chamou uma reunião para discutir o que fazer diante desse caso, e da constante negligência tanto da reitoria, quanto da ADUnB, como do DCE, no trato cotidiano das temáticas relacionadas a gênero e ao que passam as mulheres dentro da Universidade de Brasília. Nela, mais de 200 pessoas compareceram. Dispostas a prestarem sua solidariedade, e a lutarem por uma UnB em que não precisemos que esse tipo de situação aconteça para que o combate ao machismo e a misoginia seja algo do cotidiano da universidade. A maioria absoluta das pessoas presentes eram mulheres.

Transformaremos nossa dor em luta, para que histórias como a de Louise não se repitam.

Toda força aos familiares.

PS: Convidamos a todas/os para estarem presentes no Ato da UnB, puxado para segunda-feira, às 15:30, no Teatro Arena.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017