Construindo o junho da educação: Nacionalizar a luta e arrancar conquistas

Daniel Costa RibeiroLi Bittencourt 12/maio/2015, 16h57

Desde o início de 2015, quando Dilma anunciou o corte de R$7 bilhões da educação, foram os funcionários terceirizados que mais sentiram os golpes dessa medida. Aqui no Rio de Janeiro, houve paralisações dos funcionários e funcionárias da limpeza, segurança e guardas patrimoniais por seguidos dias. O motivo foi a falta de repasse das verbas para as empresas terceirizadas que prestam serviços às universidades. Algumas dessas empresas ainda não pagaram nem o décimo terceiro de 2014.

Paralisação dos terceirizados da UFF em março de 2015

Paralisação dos terceirizados da UFF em março de 2015

Hoje, mais uma vez, não houve o repasse de verba para pagamento destes funcionários. Por isso, estamos sem aulas na Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO-UFRJ) e na Faculdade Nacional de Direito e amanhã, quarta-feira, o Colégio de Aplicação (CAp-UFRJ) também irá suspender as atividades. Na UFF, nosso bandejão ficará fechado até sexta-feira pelo menos, o que afeta diretamente a dinâmica dos estudantes que dependem desse serviço para frequentar as aulas. Além disso, boa parte das unidades de ensino estão sem condições de uso por falta de água, papel e limpeza.

Atividades suspensas nas Federais do RJ

Atividades suspensas nas Federais do RJ

Esses funcionários são essenciais para o funcionamento de qualquer universidade, mas são sempre os primeiros a serem cortados da folha de pagamentos. Eles são o elo mais frágil do funcionamento das universidades. Não são valorizados, muitas vezes invisibilizados e possuem um sindicato pouco ativo para defender seus direitos. Por isso, a paralisação total tem sido o método mais efetivo de chamar a atenção da comunidade acadêmica para a falta de pagamento. Essa é a realidade do trabalhador terceirizado em todo lugar, e o Congresso ainda quer ampliar essa forma de contratação de maneira irrestrita através do PL4330.

Este cenário nos remete a uma análise mais profunda das nossas universidades. A situação dos terceirizados é a consequência mais visível do ajuste na educação. Mas ainda estamos assimilando as consequências da redução das bolsas acadêmicas e de permanência, do corte de auxílio para congressos estudantis, acadêmicos e esportivos. Isso tudo soma-se ao fato de que a estrutura universitária já não era suficiente mesmo antes dos cortes. As políticas de assistência e permanência sempre foram muito limitadas, o que contribuiu decisivamente para o aumento contínuo do índice de evasão de estudantes. Esta situação tende a se agravar.

Chapa 20 encabeçado por Roberto Leher vence eleição pra reitor na UFRJ

Chapa 20 encabeçado por Roberto Leher vence eleição pra reitor na UFRJ

Por fim, não podemos passar por isso sem no mínimo nos indignarmos e prestar solidariedade aos funcionários que estão paralisados. Mas isso só não basta. É necessário começarmos a nos unir, primeiramente entre nós estudantes e avançar na organização junto com técnicos e professores em defesa da nossa educação. A eleição de Leher reitor da UFRJ é exemplo disso e nos faz crer que a mobilização unificada será capaz de arrancar vitórias e evitar retrocessos. A saída para a crise passa pela organização em cada uma das universidades em que a situação tende a se agravar. Mais do que isso, é necessário fazer essa articulação nacionalmente, e repetir o Congresso da Fasubra que, com uma nova diretoria independente do governo federal, indicou greve nacional dos servidores técnicos. Além disso, há uma paralisação de professores marcada para o próximo dia 14 de maio e um indicativo de greve do seu sindicato nacional (Andes) para a semana do dia 25 a 29 de maio.

Para nós estudantes, o que está colocado também é a mobilização nacional, apoiando a luta dos outros setores mas também construindo nossa pauta de reivindicações. Por isso, fazemos o chamado para a construção da paralisação nacional do dia 29 de maio que será tocada por vários segmentos da sociedade. Nós vamos parar pra dizer à Dilma e ao Congresso Nacional que não aceitaremos nenhum retrocesso e nenhum ajuste sobre o povo. Que se retire uma fatia dos lucros exorbitantes dos bancos para bancar a educação. Que se faça valer a constituição e coloque em prática a taxação das grandes fortunas para aumentar a arrecadação. Mas que o Brasil seja uma verdadeira Pátria Educadora, sem demagogia. Investir na educação para avançar, esse deve ser o mote dos indignados brasileiros.

Congresso da Fasubra que elegeu nova direção independente do governo federal e aprovou indicativo de greve para o dia 28 de maio

Congresso da Fasubra que elegeu nova direção independente do governo federal e aprovou indicativo de greve para o dia 28 de maio

Marilia estudante da UFRJ e Daniel estudante da UFF, Juntos RJ